24 outubro 2014

Como você se sente como servidor público? O SINSPURS quer saber

Ivone Teresinha Meneghelli Lourenço

Ivone é servidora pública há nove anos e sempre trabalhou na área da saúde.

“Como servidora eu me sinto meio realizada, porque eu já fui bem mais, profissionalmente falando, realizada. Como servidor público, ainda não tem o valor e tudo o que a gente espera. Tem muita coisa que falta pra gente, como valorização, reconhecimento e respeito principalmente da população. Porque nós temos passado por situações, eu mesmo passei por situações semana passada em que a injustiça aí, dos que podem nos ajudar, não nos defendem e a gente não tem esse reconhecimento, não tem esse valor que qualquer outro profissional necessita.  Já tivemos situações melhores, já tivemos condições melhores de trabalho. Então, a frustração da gente é que hoje em dia parece que cada vez o desrespeito vale mais, cada vez quem está lá fora parece que tem mais direito, nós temos poucos direitos. Eu, profissionalmente, eu amo a minha profissão. Sempre falo que o que me realiza é a minha profissão. Mas, ultimamente, eu tenho estado muito desgostosa porque a gente entra, faz a nossa parte e nunca está bom. A população exige mais de ti e você tenta ser a mais profissional,  quanto mais profissional tu é, menos reconhecimento recebe. Eu sempre falo que deveria ser tirado esse nome “servidor”, porque a gente não está aqui só para servir. Também queremos um pouco de reconhecimento e também queremos um dia ser servidos assim, como a gente faz pelo próximo. Como servidora eu me sinto frustrada, mas na minha profissão eu me sinto realizada. Só queria continuar me sentindo mais realizada.”

Anodila Cadore

Anodila trabalha como servidora pública da saúde em Rio do Sul há um ano, mas anteriormente trabalhou 12 anos como servidora no município de Trombudo Central.

“Eu gosto muito de ser servidora pública. Me sinto bem no meu local de trabalho, trabalho com uma equipe bacana, assim, não tenho do que reclamar. Sempre gostei do que eu faço, senão não estava tanto tempo trabalhando nessa área. Eu sou enfermeira e gosto do que faço. E a área também me satisfaz, me realiza, e é por isso que eu to aqui até hoje. Como eu trabalhei em outra prefeitura é claro que tem diferença de um local pra outro. Aqui a demanda é bem maior mas também é bastante organizado. Não tenho do que reclamar. E a gente tem um suporte bem bacana aqui, do pessoal do RH, que isso também é importante. A gente é sempre bem orientado sobre os nossos deveres e nossos direitos e isso ajuda bastante também no dia-a-dia. Aqui na Policlínica na sala 40 a gente tem uma demanda bem grande. É claro que o número de funcionários ainda não é o ideal, a gente trabalha bastante. Só que assim, o fato da gente estar fazendo seis horas também é bom. Oito horas é bastante cansativo em função que trabalhamos muito em pé e com muita gente, direto. Então quando a gente faz oito horas, no final do dia estamos bem mais cansados, as seis horas facilitam bastante.”

Ricardo Ademar Hoeller

Ricardo é servidor público há seis anos, atuante na área da saúde.

“Servidor público, você pode analisar pela essência da palavra. O que é servidor? O que é servir? Eu me sinto bem servindo as pessoas. E a essência de qualquer servidor público, independente da área, seja qual o escalão que ele esteja. Desde serviços gerais, até presidente da república. A função do servidor é servir o próximo, servir as pessoas. Na medida em que tu consegue projetar isso na tua carreira profissional, desenvolvendo e crescendo, sabendo que a tua função é em prol do próximo você vai se sentir realizado. Nós aqui, a equipe cuja qual eu faço parte, atendemos uma média de 350 a 400 pessoas por dia. Por isso que você tem que estar focado e, realmente, você tem que gostar e se moldar, se desenvolver, crescer, estudar, pra exercer a função que você exerce. Isso é o que procuro passa pra toda a nossa equipe.”.