sem_foto

Como você se sente como servidor público?

Dia 28 de outubro é o Dia do Servidor. Durante todo mês de outubro, toda semana nossa assessoria de imprensa vai disponibilizar aos veículos de comunicação enquetes com servidores municipais, que vão responder como estão se sentindo como servidores públicos.

Confira a enquete desta semana.

ASSEMBLEIA – A presidenta do SINSPURS, Arlete de Souza, convida os servidores públicos municipais para a Assembleia Geral, no dia 30 de outubro, às 19 horas, no auditório dos Metalúrgicos, na Rua Ana Nery, no Bairro Santana, em Rio do Sul.

 

Como você se sente como servidor público?

 

Silvia Bozio

Silvia era servidora pública de outro município e atua em Rio do Sul, na Fundação Cultural, há dois meses.

“Trabalho como Agente Administrativo, atendo pessoas diretamente e pelo telefone. Gosto muito do meu trabalho, pois o local é de alto astral, música, dança, expressões artísticas em geral. Mas o que tem de melhor aqui são as pessoas! Fui muito bem recebida!

Considero vantagens no serviço público a estabilidade e a maior liberdade de ser quem você é. Porém, todos nós servidores temos que ter a consciência de que estamos ali à serviço da população e não para satisfazer nosso ego!

Sinto que muitas vezes os servidores públicos esquecem a que vieram, esquecem que quem paga o nosso salário é o povo. É muito comum em repartições públicas, os funcionários tratarem mal as pessoas, achando que estão fazendo um favor a elas, quando tudo que eles fizerem não passa de sua simples obrigação.

Minha meta como servidora pública é sempre atender bem, sem olhar a quem!”

 

Catia Dagnoni

Catia é servidora pública há 21 anos. Trabalha na Fundação Cultural, atualmente no cargo de Diretora do Departamento de História, Memória e Documentação (Museu Histórico e Cultural e Arquivo Público Histórico).

“Hoje posso dizer que me sinto realizada em poder de alguma forma contribuir com a cultura, com a história de Rio do Sul. Experiências vividas através da Fundação Cultural, permitindo informar a história da cidade, levando a outras questões que envolvem o patrimônio cultural dos cidadãos, através do entendimento de elementos que podem recriar e transformar uma região. Fortalecendo o papel da cultura em nossa sociedade.

Tenho também a oportunidade e incentivo de muitas pessoas da Fundação Cultural, nos estudos e publicações sobre a história de Rio do Sul, como a publicação recente da história em quadrinhos ‘Rio do Sul: nas palavras do colonizador’. Tal qual me deixou muito feliz com o resultado da proposta e os objetivos alcançados.

Espero ainda contribuir muito com a cultura e história de Rio do Sul e Região.”

 

Marisa dos Santos

Marisa trabalha como servidora pública há 20 anos. Hoje é funcionária do Arquivo Histórico de Rio do Sul, localizado na Fundação Cultural.

“Eu comecei como servidora pública na área da educação. Depois vim direto para o Arquivo Histórico e aqui estou há 20 anos. Toda a história de Rio do Sul está aqui, desde a sua emancipação. Realizo todos os trabalhos daqui sozinha, desde a limpeza, até classificação. O que sinto falta é de alguém que pudesse fazer a digitalização desses documentos, pois uma só pessoa não consegue. São muitos arquivos que chegam diariamente e muitas tarefas paralelas. Mas bem, eu amo o meu trabalho. Ele é ótimo! Não sei como será quando eu me aposentar, pois conheço cada parte desse lugar. Primeiramente o Arquivo ficava junto ao Museu e depois, em 2011, viemos aqui para a Fundação. Era para ficarmos onde está a biblioteca, mas devido à enchente viemos para esse espaço. Foi uma época de muito trabalho e mudanças, mas o espaço aqui é muito mais amplo. E já está praticamente cheio! Sempre chegam mais documentos. São muitas pastas separando eles por seções, sem falar das fotos. Cerca de 15 mil fotos da história de Rio do Sul.

É muito bom estar aqui e conviver com tudo isso. Procuro manter o setor sempre em ordem. Se alguém vem à procura de algo específico vamos lá e logo achamos. Considero ótimo o meu trabalho. Sempre tem alguma coisa nova para fazer, algum projeto paralelo que ficamos à frente. A rotina é bem corrida, mas eu adoro.”

 

Patrícia Pianesser

Patrícia é servidora pública atuante na Fundação Cultural de Rio do Sul há seis anos.

“Comecei em abril de 2008. Iniciei trabalhando no atendimento da Biblioteca Pública por alguns meses, depois trabalhei quase dois anos no Museu e Arquivo Histórico e há mais ou menos quatro anos trabalho na secretaria da Fundação Cultural, onde cuido de toda a parte dos cursos que oferecemos à comunidade.

Gosto muito do ambiente da Fundação Cultural, é simplesmente um sonho para quem gosta de arte, cultura e eventos, me identifico e amo esse lugar. Gosto do que faço, mas gostaria de poder contribuir mais com a Fundação ao invés de simplesmente fazer o que está no contrato (matrículas, cobranças de mensalidades, etc.). Gostaria de me envolver mais no que diz respeito à arte e cultura e, menos no que diz respeito à burocracia. Amo ver as coisas acontecendo por aqui, mas mesmo assim, amo o que faço. Amo a Fundação Cultural.”.