20 dezembro 2014 (1)

Servidores municipais de Rio do Sul em Estado de Mobilização ocupam galeria da Câmara de Vereadores

Desde a assembleia extraordinária convocada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rio do Sul e Região (SINSPURS) realizada na noite de quinta-feira, 11, no Auditório dos Metalúrgicos, os servidores públicos municipais de Rio do Sul votaram pelo Estado de Mobilização.

O SINSPURS reivindica aumento real de salários, mas a prefeitura oferece apenas reajuste baseado no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), de 6,33%.

A primeira ação do Sindicato, com os servidores em Estado de Mobilização, foi de ocupar a galeria da Câmara de Vereadores de Rio do Sul, durante a sessão desta segunda-feira, 15.

A galeria da Câmara ficou lotada de servidores com cartazes cobrando aumento real de salários e denunciado que estão há quatro anos sem aumento real. O Sindicato questiona o percentual que a prefeitura gasta com a folha de pagamento. “O limite prudencial é de 54%. A prefeitura de Rio do Sul gastava 41,9% porém, com o aumento da arrecadação, esse gasto não passa de 39%”, informou a presidenta do SINSPURS, Arlete de Souza.

 

Entenda o processo de negociação do SINSPURS com a prefeitura de Rio do Sul

No dia 30 de outubro o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rio do Sul e Região (SINSPURS) promoveu uma Assembleia Geral Ordinária com os servidores do município de Rio do Sul. Na ocasião, foram definidos os itens da Pauta de Reivindicações para o ano de 2015 e a comissão que participaria das negociações. Um dos principais itens da pauta era o aumento salarial pelo INPC, mais percentual de aumento real que totalize 12% para todas as categorias de servidores do município.

O primeiro encontro para a negociação da pauta ocorreu no dia 27 de novembro, quando a comissão se reuniu com representantes da administração municipal. Por conta de compromissos de última hora, o prefeito municipal Garibaldi Antonio Ayroso, o Gariba, não pode permanecer na mesa e quem conduziu a reunião foi o secretário da Administração, Givanildo Silva. No primeiro momento o secretário de finanças da prefeitura, Cristiano Contreira Dias Lopes Segatto, também esteve presente.

O segundo encontro aconteceu no dia 4 de dezembro. Novamente a comissão se reuniu com o secretário Givanildo, que trouxe os pareceres de cada proposta apresentada na reunião anterior. Houveram avanços significativos em pontos importantes da pauta, porém, o governo não assinalou a possibilidade de um reajuste real. Apenas ofereceu reajuste com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), de 6,33%.

Houve uma decepção, tanto da presidenta do SINSPURS, Arlete de Souza, como de todos os membros da comissão. Arlete, na ocasião, mais uma vez lamentou a ausência do prefeito Gariba. “A coisa que eu mais lamento é a ausência do prefeito nessa manhã. A gente precisava ter algo dele. Dessa maneira, parece que ele não quer ouvir o servidor. Ele tinha que estar aqui e ficar ciente da realidade desses servidores que trabalham incansavelmente para atender bem o povo da nossa cidade. Saio decepcionada, não só pela negação do aumento real, mas por essa falta de presença”, disse Arlete.

Na Assembleia do dia 11 de dezembro a direção do SINSPURS expôs todos os pontos da pauta com os resultados obtidos nas reuniões de negociação. Com a proposta da prefeitura de conceder apenas reajuste salarial pelo INPC, os servidores votaram pelo Estado de Mobilização.

Depois da mobilização que ocupou a galeria da Câmara de Vereadores na tarde desta segunda-feira, 15, Arlete explicou que os servidores vão continuar em Estado de Mobilização e que a próxima assembleia do SINSPURS será realizada em fevereiro de 2015. “Se até lá o prefeito não apresentar uma proposta de aumento real, nós vamos analisar o próximo passo da mobilização. Não descartamos a definição dos servidores por uma greve”, disse Arlete.

 .